Santos já se prepara para avanço do mar (SP)

20:42 Marco Lyra | Engenheiro Civil | Especialista em Obras de Defesa Costeira. 0 Comentarios




Leia Mais:http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,santos-ja-se-prepara-para-avanco-do-mar%C2%A0,10000005770
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter
Leia Mais:http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,santos-ja-se-prepara-para-avanco-do-mar%C2%A0,10000005770
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter
Município precisará investir R$ 238 mi em medidas de adaptação para evitar prejuízos de mais de R$ 1 bi com uma subida do oceano de até 80cm

Com as mudanças climáticas, o oceano subirá de 45 a 80 centímetros até 2100, avançando até 80 metros sobre as praias da cidade de Santos, no litoral paulista. Em diversos pontos, o mar invadirá periodicamente 25% da área urbana causando prejuízos bilionários, enquanto a operação no maior porto do Brasil se tornará inviável. Para enfrentar esse cenário catastrófico, previsto por dois diferentes projetos de pesquisa, a prefeitura da cidade e a comunidade científica já começaram a traçar planos para as grandes obras de adaptação que se farão necessárias.
 
Praia das Pitangueiras teve bom movimento neste domingo, 27/12, graças ao dia de sol na Baixada | Foto: Sergio Castro/Estadao


Cada um dos estudos considerou diferentes cenários climáticos e usou modelos distintos para calcular os efeitos da elevação do mar na cidade paulista. Um deles prevê que a elevação da maré atingirá no mínimo 18 centímetros até 2050 e poderá chegar a 45 centímetros até 2100. Com isso, Santos precisará investir R$ 238 milhões em medidas de adaptação para evitar prejuízos de mais de R$ 1 bilhão nas duas áreas mais vulneráveis da cidade: a Ponta da Praia bairro valorizado que já sofre com o avanço da maré e a zona noroeste, área de baixa renda, longe das praias, mas alagável e cercada de mangues.

“Esses valores foram calculados com base no valor venal das propriedades que serão atingidas. Mas o estudo não incluiu os impactos no porto e na infraestrutura urbana. Por isso, o valor real do prejuízo será imensamente maior que R$ 1 bilhão”, disse o cientista José Marengo, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), coordenador geral do estudo que também envolve instituições como a Universidade de São Paulo, (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O estudo faz parte do Projeto Metropole (em inglês), uma iniciativa internacional que diagnosticou os impactos da elevação da maré em três cidades Santos, Broward (Estados Unidos) e Selsey (Inglaterra). “No Brasil, Santos foi escolhida porque é a cidade litorânea que possui os dados históricos mais completos sobre as variações das marés e o georreferenciamento mais preciso entre as cidades litorâneas”, disse.

Depois de uma fase de avaliação detalhada dos impactos, os cientistas apresentaram publicamente os resultados e, no início de dezembro, coletaram sugestões de adaptação de representantes da sociedade civil de Santos. As propostas foram processadas nos Estados Unidos, para avaliação da viabilidade técnica e quantificação dos valores das obras. “A prefeitura encampou o projeto, porque ele vai auxiliar a cidade a criar um plano de adaptação às mudanças climáticas”, disse Marengo. Para ele, a necessidade de obras de adaptação é uma realidade inevitável e os estudo feitos em Santos serão o modelo para outras cidades litorâneas. “Não é preciso esperar que o clima mude para ver o que já está acontecendo. A população de Santos já percebe o problema quando as ressacas inundam a avenida da praia. Por isso alguns prédios têm garagens subterrâneas com comportas”, afirmou.


Plano de adaptação

Segundo o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), as propostas escolhidas incluem a modernização das comportas dos canais, a recuperação do mangue, o aumento artificial da faixa de areia das praias e a construção de muros de proteção em trechos da orla. “Todas as ações terão base em informações técnicas, mas a discussão será profunda. Ouviremos a população e não aplicaremos a opinião isolada de nenhum técnico, autoridade ou instituição”, disse Barbosa.

De acordo com ele, o projeto é o embrião de um plano para enfrentar a elevação da maré. No início de dezembro, um decreto criou a Comissão de Adaptação à Mudança do Clima. “Levamos a sério o diagnóstico feito pelos cientistas e sabemos que as mudanças climáticas são inevitáveis. Confiamos no planejamento para desenvolver soluções técnicas. No prazo de um ano, teremos um plano para que Santos possa se adaptar”, declarou.


Fonte: Estadão

0 comentários:

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga