A nova costa de Pernambuco

12:34 Marco Lyra | Engenheiro Civil | Especialista em Obras de Defesa Costeira. 0 Comentarios


Desatualizada há 184 anos, linha que norteia construções no litoral foi redefinida por estudo da UFPE. Pesquisa aponta perdas de 30 m e ganhos de até 200 m na faixa de areia 

Praia do Porto, localizada no município de Barreiros, perdeu 25 metros de faixa de areia
Desatualizado desde o século 19, o traçado dos 187 km do litoral pernambucano foi redefinido por pesquisadores do Departamento de Oceanografia da UFPE. O estudo indicou que só nos últimos dez anos algumas praias perderam 30 metros de faixa de areia, enquanto outras ganharam até 200 metros. Até o fim do semestre, o resultado da pesquisa será publicado em decreto e determinará o novo limite para construir imóveis na beira-mar, que devem respeitar um recuo de 33 metros em relação à maré mais alta do ano.

O antigo traçado da linha de costa em Pernambuco datava de 1831. O vácuo de 184 anos abriu espaço para a ocupação irregular na costa e caminho para que o processo natural de erosão se tornasse uma ameaça turística e econômica. Em comparativo com imagens de satélite de 2005 e dados coletados em visita de campo em 2014, o mapeamento mostrou que o setor norte (litoral norte) assistiu às maiores variações de área de praia ao longo dos últimos dez anos. 

Ponta de Pedras, em Goiana, é reflexo do que acontece ao longo do litoral. No trecho onde a urbanização avançou sobre a faixa de areia, a perda foi de 30 metros. Quando Oziel Carmo, 55, decidiu investir em um bar na beira-mar, há 20 anos, o oceano nem dava sinal do que estava por vir. A solução foi se juntar com o vizinho para construir um terraço de concreto em frente ao Bom Bar. “Foram 75 sacos de cimento e R$ 6 mil só de mão de obra.” Mesmo assim, nem sempre a intervenção segura as ondas. “Vou ficar enquanto a natureza deixar”. 

Já na área norte da praia, onde as construções são mais afastadas, bancos de dunas e vegetação se formaram ao longo dos anos e o areal se estendeu por mais de 100 m. Em Maria Farinha, Paulista, ocorreu o inverso do restante do município. Enquanto Janga e Pau Amarelo recebem obras emergenciais de proteção, no pontal, a doméstica Luiza Lira, 60, viu a areia levar o mar para mais de 200 m de casa. “Meu marido vivia buscando a cerca carregada pela água. Precisou até construir uma rampa de concreto para evitar prejuízo. Hoje, o mar está tão longe que impressiona”. 

Com aumento estimado de nível do mar de 0,5 cm ao ano e a perspectiva de as ondas atingirem a costa com mais de 2 m em 30 anos, Pernambuco usará o estudo como principal norteador da política de gerenciamento costeiro. “A linha foi atualizada com equipamentos digitais e ampliará o poder de fiscalização das construções irregulares”, afirmou o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sérgio Xavier. 

A ideia é planejar as ações em função dos cenários de mudanças para evitar erros do passado. “A direção das correntes aqui leva os sedimentos ao Norte. As obras no Porto do Recife e os espigões de Olinda produziram efeito cascata e transferiram a erosão para o norte”, lembra a pesquisadora Karoline Martins. “As obras rígidas do nosso litoral não dimensionaram as consequências”, acrescenta o professor de oceanografia Pedro Pereira. O recomendado seria barrar construções em 200 metros da linha de costa em áreas não urbanizadas e 50 metros em áreas urbanizadas. 

Erosão ameaça metade da orla

Os ganhos e perdas são decorrentes do processo de erosão, que ocorre em qualquer zona costeira, mas é acentuado pela ocupação desenfreada das praias. Em 2006, a erosão era evidente em 30% do estado, apontou estudo anterior da UFPE. Menos de dez anos depois, o número subiu para 50%. 

O reflexo são áreas vulneráveis a novos avanços do mar. Cerca de metade do litoral pernambucano tem vulnerabilidade moderada à erosão, a maior parte no núcleo metropolitano ou no perímetro norte, as zonas mais urbanizadas. 

Em 13% da costa, a vulnerabilidade é alta, ou seja, caso o mar continue avançando os imóveis sofrem o risco de desaparecer, prejudicando a população e causando prejuízos econômicos maiores, explicou a pesquisadora Karoline Martins. 

Se a previsão climática se confirmar e a construção à beira-mar estagnar hoje, um terço do litoral será altamente vulnerável à erosão no futuro e menos de 10% estarão em situação confortável. “É preciso investir no conceito de construção com a natureza. A engorda de Jaboatão, por exemplo, favorecerá a engorda natural de Boa Viagem”, lembra Pedro Pereira. 

Atualmente, Paulista, Recife e Olinda têm projetos executivos de engorda prontos, aguardando captação de R$ 200 milhões. Ipojuca e Itamaracá estão em fase de elaboração de estudo.

Maiores informações na edição impressa.
Fonte: Diário de Pernambuco

0 comentários:

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga