Ferramenta digital permite monitorar litoral brasileiro

12:12 Marco Lyra | Engenheiro Civil | Especialista em Obras de Defesa Costeira. 0 Comentarios


Software de mapeamento de cenários costeiros também produz informações importantes para planejamento sazonal

Gestores e especialistas em planejamento costeiro e marinho podem contar com importante ferramenta para a tomada de decisões em relação ao litoral brasileiro. Trata-se do SMC-Brasil, sistema de modelagem desenvolvido por meio de cooperação técnica entre o Brasil e a Espanha.

O SMC-Brasil é um sistema de monitoramento composto por modelo numérico e base de dados que permitem a construção de cenários sobre a dinâmica da linha de praia do País. O sistema produz informações importantes para o planejamento e a qualificação das tomadas de decisões destinadas ao litoral brasileiro.

Capacitação

Especialistas estão realizando nesta semana um curso de capacitação que, nesta semana, chega à sua terceira turma de formação. O curso faz parte da Jornada de Gerenciamento Costeiro, realizada pelo Ministério do Meio Ambiente, em Brasília.

A capacitação, ministrada pela equipe técnica do Instituto de Hidráulica da Universidade de Cantábria, na Espanha, e coordenada pelo professor Maurício González, ocorre nesta quarta-feira (4) e segue até sexta (7).

“A ferramenta oferece uma série de modelos que permitem estudar os processos vivenciados na costa. Podemos analisar a dinâmica da orla, das correntes, o nível do mar, transporte de sedimentos, monitorar e prever erosões, inundações, avaliar o impacto de obras como portos, hotéis”, explicou González.

Ocupação desonerada

Esta terceira turma é formada por gestores federais, representantes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Pernambuco, Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade de Brasília (UnB).

O analista ambiental da Secretaria Estadual do Meio Ambiente de Pernambuco, Rodolfo Araújo, explicou o estado vem sofrendo muito com erosão costeira, principalmente nos municípios da região metropolitana, e a ocupação desordenada agrava essa questão.

“A maioria das obras para proteger construções litorâneas da aproximação do mar não foi embasada em estudos, em modelagens, por isso, além de não solucionar o problema, podem causar danos em outro local”, explicou Rodolfo.

Segundo o gestor, os estudos que a ferramenta (SMC-Brasil) pode ajudar a fazer são necessários para prever como determinado cenário vai se comportar depois da instalação de alguma estrutura ou até se aquela estrutura vai funcionar como planejado.

Projeto piloto

Projeto piloto do SMC-Brasil é desenvolvido na praia de Ponta Negra, área de grande interesse turístico para a capital do Rio Grande do Norte, Natal, e que sofre com intenso processo erosivo.

“Optamos por fazer o estudo na região e, diante da falta de dados, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), nossa parceira, desenvolveu alguns levantamentos para complementar com informações necessárias para as análises”, declarou a gestora do Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Norte, Ana Marcelino.

“Para a gestão, trabalhar com modelagem matemática nos ajuda a decidir ou definir ações e formas de proteção, orientação ao planejamento da ocupação na área da orla. Nós gestores estamos nos capacitando para utilizar essa ferramenta”, completou.

Impactos na costa

A zona costeira brasileira concentra parte da população do País, com cerca de 45 milhões de habitantes, a maioria reunida nas 16 regiões metropolitanas que se encontram à beira-mar. As dificuldades dessas regiões estão relacionadas ao avanço do mar.

Trata-se de ambientes dinâmicos influenciados diretamente por ondas e correntes marinhas. Tudo isso associado a ações humanas que potencializam os efeitos da erosão, o que requer esforços permanentes para manutenção de seu equilíbrio.

Os problemas vinculados a erosão costeira causam sérios impactos sociais e econômicos, perceptíveis em várias áreas ao longo da costa brasileira.

O Sistema de Modelagem Costeira Brasileiro permite entender e propor soluções para problemas de erosão que ocorrem em quase 40% da costa brasileira, estudar problemas de impacto ambiental, delimitar zonas de domínio público e privado ao longo do litoral permitindo recuperar espaços públicos já ocupados e proteger as populações em áreas de risco.
 

0 comentários:

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga