Avanço do mar no litoral do Rio deixa moradores ilhados (RJ)

16:47 Marco Lyra | Engenheiro Civil | Especialista em Obras de Defesa Costeira. 1 Comentarios


O avanço do mar está destruindo ruas e casas em uma praia no litoral norte do Estado do Rio de Janeiro. Moradores culpam a construção de um porto pelo fenômeno.
 
video
 
Fonte: band.uol.com.br

1 comentários:

Anônimo disse...

Que bom que você abordou o assunto.

Em alguns lugares é proibido fazer comentários contrários à ideologia do autor do espaço. A contradição tem pairado no ar por estes dias. É tóxica. Alguns se dizem a favor da democracia e alegam ter lutado por ela, mas infelizmente praticam a ditadura nos seus blogs e sites.

Vamos lá.

Para começar, o seu vídeo não está completo.

Este aqui está. Ele traz o comentário polêmico do apresentador no final.

http://www.youtube.com/watch?v=L0YZBVdXXHk


Ele (o apresentador) acusa erroneamente a dona do Porto do Açu, a Prumo Logística, pela erosão na praia.

O relatório da UENF feito pelo Marcos Pedlowski que a Band usou para fazer a reportagem faz análise do EIA/RIMA do estaleiro da OSX e não das obras que pertencem a Prumo Logística.

O relatório diz claramente não saber a causa do problema, mas a Band parece que sabe.

A Prumo Logística devia entrar com um processo de difamação contra a Bandeirantes.

Aqui está a transcrição do comentário:

Chega a ser constrangedor, viu?, o Instituto técnico do Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro negar uma evidência tão cristalina, tão clara. Fizeram o porto (Prumo Logística) e do porto (Prumo Logística)... da construção do porto (Prumo Logística) resultou o fenômeno que você viu aí, afetando pouco menos do que 2.000 famílias dessa comunidade. Nada contra grandes obras, nada contra o desenvolvimento, o capitalismo, nada contra a genialidade do seu Eike Batista e suas relações promíscuas com governantes no Estado do Rio de Janeiro. Mas dizer que isso aí não é resultado do porto (Prumo Logística) é tratar os outros como idiotas, né? Vamu lá.


Segundo, há outro aspecto polêmico na reportagem, mais especificamente nas imagens.

A rua e as casas que aparecem na reportagem foram construídas em cima da praia, o que não é permitido por lei.

O Conselho Nacional do Meio Ambiente e o Código Florestal proíbem construções a menos de 300 metros do mar (Resoluçao 303 de 20 de março de 2002).

Também é proíbido construír a menos de 33 metros da praia (cuidado que não é do mar) porque o terreno pertence à União (Terreno de Marinha).

Segundo a legislação, entende-se por praia a área coberta e descoberta periodicamente pelas águas, acrescida da faixa subsequente de material detrílico, tal como areias, cascalhos, seixos e pedregulhos, até o limite onde se inicie a vegetação natural, ou, em sua ausência, onde comece um outro ecossistema.

Então, a contagem dos 33 metros se iniciaria ao final da faixa de areia. Na reportagem percebe-se nitidamente que as construções foram feitas justamente em área proibida.

As fotos de satélite que estão no relatório da UENF provam isso.

Nâo é só um problema erosão, é um problema de ocupação irregular da costa também.

O mar está pegando de volta o que é dele.

Costa é um ambiente dinâmico que está sempre em transformação. Ora se expande, ora se contrai.

Ele (o mar) precisa de uma ampla faixa de areia para ajustar suas oscilações periódicas.

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga