Pesquisadores estudam situação de praias do Norte (RN)

17:12 Marco Lyra | Engenheiro Civil | Especialista em Obras de Defesa Costeira. 0 Comentarios


Muriú é uma das praias que vêm sendo alvos do avanço do mar. Na última semana, o local recebeu pela primeira vez uma visita técnica de cientistas. Na manhã da quarta-feira passada, uma equipe da UFRN desembarcou na praia para começar um levantamento sistemático sobre a ação do mar naquela região. Além de Muriú, Pitangui, e Jacumã também contariam com a visita dos geólogos da instituição federal.
 
Na praia de Muriú, é visível o avanço das construções na área conhecida como “área de marinha”
Na praia de Muriú, é visível o avanço das construções na área conhecida como “área de marinha”
Segundo o professor Venerando Amaro, a situação é muito parecida do que acontece em Ponta Negra. Em Muriú, a Avenida Des. João Maria Furtado foi tomada pela ação da água marinha. Parte da via desabou. “É semelhante à Ponta Negra. Aqui, o que dá para ver de cara é que quem invadiu foi a cidade, e não o mar. Dá para ver que um aterro foi feito aqui em cima da praia. A água vai corroendo por baixo e sem sustentação a parte de cima desaba”, disse.

Em Muriú também foi feito um enrocamento, mas o paredão de pedras já não impede mais a ação do mar. Parte da estrutura também já veio abaixo. Segundo moradores, tudo aconteceu à seis meses, e desde então a paisagem no local continua com o retrato da derrota do homem diante da natureza.
 
Pesquisador da UFRN, Venerando Amaro, começou estudo entre as praias de Muriú a Jacumã
Pesquisador da UFRN, Venerando Amaro, começou estudo entre as praias de Muriú a Jacumã | Fotos: Júnior Santos
O estudioso conta que em Muriú, é visível que muitas das construções avançaram sobre o que há anos deveria ser espaço do mar. Como é um fenômeno cíclico, agora o oceano quer reaver o território que em tese seria seu de direito. “O mar vem derrubando tudo. Todo ano acontece isso. Há uns seis meses ele ‘comeu’ a pista”, relatou o barraqueiro Jorge Davi, de 46 anos, há seis trabalhando em Muriú.

O geógrafo Elias Nunes analisa geograficamente a situação no litoral potiguar e confirma o indicado pelo professor Venerando Amaro. “O que tenho visto é que o mar vem requerendo o espaço que era dele. O homem ocupa áreas que não deveria ocupar, e a tendência é piorar, devido ao aumento populacional”, alerta.

Desrespeito


Pela Lei 9.760 de 1946, que discorre sobre os terrenos de marinha, que compreendem uma faixa de 33 metros de terra a contar da preamar média de 1831 no sentido da costa. Nas regiões mais povoadas ou cobiçadas do litoral potiguar, seja pelas belezas naturais ou pelo potencial turístico, além do trecho de marinha não ser respeitado, os bancos de areia foram reduzidos em até 180 metros com o avanço do mar.

“Em menos de 10 anos, o mar já invadiu quase 200 metros na praia da Soledade, em Macau”, relata o professor Marcelo Chaves. Ele destaca, entretanto, que o avanço do mar é um processo lento e gradual que não ocorre do dia para a noite.

“Há inúmero pontos de erosão no RN que são pouco conhecidos”, alerta. A erosão costeira atinge hoje cerca de 57% das praias de todo o planeta e os custos para a recuperação dos trechos erodidos são bilionários. A União Europeia, por exemplo, gastou cerca de 3,2 bilhões de euros em 2003 na tentativa de recuperar as praias.
 
Fonte: Tribuna do Norte

0 comentários:

Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga