SÃO OS DISSIPADORES DE ENERGIA A RESPOSTA PARA EROSÃO COSTEIRA?


ARE ENERGY DISSIPATORS THE ANSWER TO COASTAL EROSION?



Em Alagoas, foram construídos dissipadores de energia de ondas desde 2003 para proteção costeira, cujos resultados positivos, indicam a necessidade de expandir a experiência para outras praias.


Dissipador de Energia Sandbag contém erosão costeira e recupera praia recreativa em Ipioca, Maceió/AL.          Foto: Autoral

Atualmente muito se discute sobre a eficácia das obras de defesa costeira, principalmente considerando  os efeitos das mudanças climáticas nas cidades costeiras, com a provável intensificação dos processos de erosão e inundação, o que aumentará a demanda por essas obras. Com esse cenário, se faz necessário uma nova abordagem exigindo novos conceitos na definição de obras de defesa costeira com o objetivo de promover a recuperação de praias.

No ambiente costeiro, os ventos são os grandes responsáveis pela dinâmica costeira, seu papel não se restringe a originar ondas, e por conseqüência, as correntes litorâneas. As ondas e as correntes marítimas transportam grandes quantidades de grãos de areia que são parcialmente depositados na praia. A areia acumulada e exposta ao ar, após seca, é transportada por ventos dominantes para locais mais elevados da praia. Grandes quantidades de areia se deslocam ao longo das linhas de costa.

Já reparou nas formas do litoral? Será que existem ilhas quadradas?
A modelagem da linha de costa deve-se a um conjunto de forças complexas que atuam no ambiente costeiro, formando o padrão existente.

A linha de costa é a fronteira da intercessão do ar, do mar e da terra. As interações físicas, que ocorrem nesta fronteira são por isso únicas, complexas, e difíceis de compreender. A linha da costa como um todo, e como parte integrante desta costa, as praias em particular, são sistemas extremamente dinâmicos e de uma variação continua no tempo e no espaço.

As praias e as zonas costeiras são as regiões onde se faz sentir a ação energética do mar sobre os continentes. É como se a costa fosse um atrator caótico. Em regra, é a costa o obstáculo sobre o qual a onda acaba por dissipar a totalidade da sua energia, num processo extremamente complexo, genericamente designado por rebentação. A praia é o grande dissipador de energia das ondas, essa é a concepção básica dos dissipadores de energia numa praia com erosão.

O dissipador de energia funciona como um anteparo que contém o avanço do mar no local da erosão, dissipando a energia do trem de ondas que incide sobre sua estrutura, reduzindo sua velocidade, e com isso promovendo a recuperação do perfil da praia no local da intervenção.

Dissipador de Energia Bagwall contém erosão costeira na ilha da Croa desde 2011, Barra de Santo Antônio.          Foto: Autoral

Na Teoria dos Sistemas Dissipativos, a dissipação revela o caráter auto-organizativo de qualquer sistema vivo e aberto. Ou seja, a utilização de uma estrutura dissipativa, permite que uma nova ordem surja. A ordem vem do caos!

Para estudar sistemas Caóticos é necessário conhecimento em três estruturas matemáticas geralmente usadas na análise de sistemas dinâmicos : o espaço de fase que é o espaço matemático de variáveis dinâmicas de um sistema; a seção de Poincaré é um “instantâneo do movimento no espaço de fase, tomado a intervalos regulares; e o espectro de potência que utiliza a análise de Fourier para demonstrar a composição das frequências na variação temporal das variáveis dinâmicas. 

O sistema dissipativo, é todo e qualquer sistema onde haja transformação de energia em outras modalidades, seja de cinética para potencial, de gravitacional para elástica, ou qualquer que seja o modelo que se esteja trabalhando.

Os resultados positivos obtidos na recuperação de oito praias em Alagoas, com o uso de dissipadores de energia, sendo todas elas em condições completamente distintas do ponto de vista geográfico, geológico, morfológico e hidrodinâmico, onde o resultado final foi a contenção do avanço do mar sem transferir o processo erosivo para áreas adjacentes, a recuperação da praia com a recomposição do perfil devido à engorda natural, e a facilitação do acesso da população à praia natural recreativa.

As coincidências constantes em todas as praias onde essas obras foram construídas, nos levam a admitir que o uso dos dissipadores de energia numa praia com erosão, é uma solução de engenharia que não interfere na dinâmica sedimentar, é resistente e durável, contem o avanço do mar, dissipa a energia do trem de ondas, facilita o acesso da população a praia recreativa, harmoniza a obra com o ambiente de forma a torná-la menos impactante, não transfere o processo erosivo para áreas adjacentes, promove a recuperação do perfil praial, e tem baixo custo de manutenção.

FONTE: MARCO LYRA


Comentários

EUGENIO MELO disse…
Parabéns pelo brilhante trabalho de proteção às nossas belas praias! Grande abraço!
Agradeço amigo Eugênio Melo suas generosas palavras. Abraço amigo.